domingo, 22 de janeiro de 2017





O pior momento é sempre aquele em que te vejo pela última vez. Observo o desfasamento da tua figura à medida que alcanças a porta e desejo sair contigo de mão dada. Mas tenho de ficar aqui. Para alcançar tão nobre vida que assim me desejas tenho de ficar e ver-te partir, quando o que mais quero é ficar contigo.  E por todas as vezes, este sem fim se repete e eu sonho com o coração apertadinho no momento em que estaremos de novo juntas.




terça-feira, 25 de outubro de 2016





Não te quero nem hoje nem jamais. Foste mais que uma noite vagabunda, penetraste em mim e despuseste dos meus maiores bens. Quero-te longe, num passado tão distante que nenhuma réstia de ti chegue ao futuro. Leva contigo todas as cinzas que ainda perpetuam dentro de mim, para que nunca mais eu as volte a reacender. Deixa-as em sitio incerto, num desses quaisquer lugares onde o amor foi perdido.

terça-feira, 11 de outubro de 2016


















Cais no parapeito de mansinho mas rasgas todas as amarras que cuidadosamente coloquei, bem no fundo do meu ser. Trazes à tona todo o baú de emoções que há já muito desejei ter esquecido. Emoções que deixei perdidas nesse sem fim de memórias para que nunca mais as voltasse a encontrar. Recobro essa tua omnipotência com melodias de embalar corações, mas rapidamente, também elas se sintonizam com esses cânticos antigos que tu destoaste em mim. Já te conheço dessas noites de inverno, onde tal como hoje, batias no parapeito e despertavas em mim toda essa sinfonia. Por vezes, desejo que voltes e que contigo tragas esses raios luminosos, vergando todos à tua passagem e transformando este mundo tempestuoso.